Guia para evitar a contaminação cruzada ao glúten

Postado por menusemgluten em 11/maio/2016 - 2 Comentários

EVITANDO A CONTAMINAÇÃO CRUZADA

Aproveitando o mês da consciência celíaca, fiz um guia para ajudar aqueles que ainda não sabem ao certo o que é contaminação cruzada e como ela pode afetar os celíacos. É bem forte a palavra contaminação, não é? Mas realmente é muito importante estar atento a alguns detalhes, para conseguir viver bem e sem maiores danos a saúde.

Quando eu tive o diagnóstico da DC, confesso que fiquei bastante ansiosa todas as vezes que ia comer fora de casa. O ato de comer passou a ser sofrido, pois, por mais que você pergunte e questione os garçons, além da falta de compreensão, eles também não sabem te informar sobre processos dentro da cozinha. O jeito foi mesmo começar a levar marmita, assim você fica em paz com a alimentação. Nada melhor do que estar seguro sobre o que está comendo. Não tenha vergonha! Isso é coisa do passado! Mais importante é estar com a saúde em dia!

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Mas, o que é a contaminação cruzada mesmo?
É a transferência de traços ou partículas de glúten de um alimento para outro, diretamente ou indiretamente. A contaminação cruzada pode ocorrer durante o plantio, colheita, armazenamento, beneficiamento, industrialização, transporte ou manipulação de alimentos.

Este assunto é bastante delicado. Muitos médicos não sabem orientar devidamente sobre a contaminação cruzada. Após o diagnóstico, eles dizem que é preciso apenas tirar o glúten da alimentação. Mas, não é tão simples assim. Precisamos tomar alguns cuidados para não passar mal e assim cuidar melhor da nossa saúde.

Cuidados necessários no dia a dia do celíaco

contaminação cruzada

É importante lembrar que o Brasil segue a orientação do CODEX ALIMENTARIUS, que determina que todos os produtos alimentícios que contenham mais de 20 miligramas de glúten devem receber a seguinte inscrição: “não contém glúten”.

Sempre que encontrar um produto novo no mercado com a inscrição “não contém glúten”, deve-se ler com calma a embalagem para verificar todos seus componentes.O ideal é entrar em contato com o fabricante, através do serviço de atendimento ao cliente, para obter informações sobre uma possível contaminação cruzada por glúten.

Não há consenso sobre a quantidade diária de traços de glúten que um celíaco pode suportar. Por isso, o ideal é não arriscar nada!

E vocês, como lidam com a contaminação cruzada?

Fontes de informação: Fenacelbra, Rio sem Glúten

2 Comentários

  1. Marizete disse:

    Quero saber qual foi o medico que assumiou essa reportagem que forneceu as informacoes para a materia? Porque as informacoes sobre os cuidados sao serias e podem causar…,.

    • menusemgluten disse:

      Olá Marizete,
      Todas as informações foram tiradas de sites de associações de celíacos, como a fenacelbra e Rio sem Glúten. Coloquei no post alguns dos cuidados que precisamos tomar no dia a dia. Sei o quanto o assunto é sério, pois sou celíaca.
      Não entendi bem seu comentário, mas creio que não coloquei nenhuma informação errada.
      Abs
      Carol

Deixe seu comentário!

%d blogueiros gostam disto: